remissão de arterite
  • 13 de dezembro de 2021
  • creta
  • Comment: 0
  • Blog

Durante o Congresso online realizado pelo Colégio Americano de Reumatologia este ano, muitas pesquisas foram apresentadas no campo de tratamento de doenças reumáticas e autoimunes.

Entre as pesquisas, figuraram os ótimos resultados obtidos pelo medicamento secucinumabe em manter quadros de remissão de Arterite de células gigantes.

O resultado foi obtido por meio da comparação de grupos em tratamento com o medicamento biológico e um grupo de controle, ao qual foi dado placebo.

Desacordo com os especialistas, o medicamento secucinumabe trouxe melhorias significativas para os sinais e sintomas da doença, tais como a presença de Artrite ou Artrite psoriática, além de apresentar perfil seguro para tratamento de longo prazo.

Apesar dos estudos ainda estarem em fases de teste, os resultados são promissores. De acordo com a equipe responsável, o medicamento pode representar uma estratégia eficaz para o tratamento de ACG.

O estudo considerou 52 pacientes com ao menos 50 anos de idade e que nunca haviam utilizado medicamentos biológicos no tratamento da doença. Na maioria, os pacientes tinham diagnóstico recente. 

Os pacientes receberam as doses do medicamento ou placebo semanalmente por 5 semanas, e depois uma vez a cada sete dias, num total de 48 semanas. No total, 37 participantes concluíram o estudo. 

Ao final do estudo, 59% das pessoas que receberam medicamento mantiveram a remissão da doença, enquanto apenas 8% do grupo de controle alcançou o mesmo resultado. 

Todos os pacientes que receberam o secucimabe e 96% dos pacientes do grupo de controle experimentaram algum efeito adverso. Contudo, 22% do grupo de tese e 44% do grupo controle tiveram reações consideradas sérias. 

De acordo com o responsável pelo estudo, ainda que os resultados sejam positivos, é cedo para afirmar a total eficácia do tratamento. Contudo, recomenda-se que pacientes com ACG inscrevam-se para novos testes envolvendo o medicamento.

Siga a Clínica Creta nas redes sociais e acompanhe nosso blog para mais informações sobre condições clínicas e tratamentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + um =